sábado, 21 de agosto de 2010

Oração e atenção

Oração e atenção
 
Você orou e pediu.
Agora, importa que se desfaça de quaisquer inquietações e asserene o íntimo para recolher as respostas da Divina Providência.
É desnecessário esperar demonstrações espetaculares para se certificar quanto às indicações do Alto.
O sol não precisa descer ao campo para aquecer o talo de erva que lhe aguarda o calor, uma vez que lhe basta a mobilização dos próprios raios.
Do mesmo modo, Deus conta com milhões de mensageiros que Lhe executam os Excelsos Desígnios.
Ore e peça, mas em seguida preste atenção.
Algo virá por alguém ou por alguma coisa para lhe doar, na essência, as informações ou os avisos que solicita.
Em muitas circunstâncias, a advertência ou o conselho vem no verbo de um amigo.
Ou então na página de um livro, em uma nota singela da imprensa ou mesmo em um simples cartaz que esteja em seu caminho.
Mais do que isso, com frequência, a resposta a suas preces e necessidades vem mediante seus próprios sentimentos e raciocínios.
Deus sempre responde.
Seja nas mensagens inarticuladas da natureza, na troca de confidências com uma pessoa amiga, nas emoções que surgem profundas de seu peito.
O convite é invariavelmente para a observância do bem eterno, na forma do cumprimento do dever.
Ao ensinar a orar, Jesus realçou a importância de se afinar com os propósitos superiores da vida.
Tanto que afirmou: Santificado seja o Seu nome, venha a nós o Seu reino e seja feita a Sua vontade, assim na Terra como nos céus.
Dando ênfase ao problema da atenção, recomendou que se buscasse um lugar íntimo para o serviço da prece.
Ele mesmo demandava a solidão para comungar com a Infinita Sabedoria.
Em se tratando de louvores e rogativas ao Senhor da vida, convém recordar os exemplos de Jesus.
Não cabem dúvidas de que Deus atende constantemente.
Contudo, é imprescindível fazer silêncio no mundo íntimo.
Impõe-se esquecer desejos, exigências e medos, para ouvir a resposta Celeste.
Mais importante ainda é estar disposto a aceitar as orientações recebidas.
A Divina Providência sempre se posiciona em seu favor, ainda que você não consiga entender de pronto.
Por vezes, deseja ver atendidos alguns desejos muito caros ao seu coração.
Por conta disso, tende a ignorar alertas sobre a impropriedade do que almeja.
Talvez queira facilidades que o exporiam a tentações bastante perigosas.
Ou anele por entretecer relações com pessoas cujo convívio não lhe seria positivo.
Nesse estado de espírito, necessitará de humildade para reconhecer a orientação Divina e aceitá-la.
Entretanto, a submissão aos Desígnios Cósmicos o livrará de dores e decepções desnecessárias.
Pense nisso.
Redação do Momento Espírita, com base no cap. XXIV,
 do livro Coragem, pelo Espírito Emmanuel, psicografia
de Francisco Cândido Xavier, ed. Cec.
Em 01.07.2010.